Quando o assunto é chupeta ou dedo muitas são as dúvidas dos pais. Quais os prós e contras? O que deve-se fazer? Quando é hora de parar? Pensando nisso, a Joli Môme preparou um conteúdo especial, com perguntas e respostas sobre o assunto. Confira:

 

– Por que as crianças chupam chupeta ou dedo?

 

O hábito da chupeta ou dedo é chamado de sucção não-nutritiva. Apesar de não alimentar a criança, como a amamentação, o ato de sugar é uma necessidade fisiológica. Importante no desenvolvimento do bebê, ele gera uma satisfação afetiva, a partir de um sentimento de prazer e segurança.

A sucção também libera a endorfina, hormônio do bem-estar e com efeito de modulação da dor, do humor e da ansiedade. Por isso, é comum que os pequenos se acalmem ao chupar a chupeta ou dedo. Inclusive, alguns já têm o reflexo desde o útero da mãe, como mostram imagens de ultrassom. Assim, a sucção faz parte do pacote dos reflexos arcaicos que permitiam a sobrevivência da espécie, como por exemplo a marcha reflexa, o reflexo de moro ou, ainda, a preensão.

Bebê amamentando

– Toda criança tem a necessidade de chupeta ou dedo?

 

Não necessariamente. A sucção do peito da mãe, através da amamentação, pode ser suficiente. Algumas crianças chegam a recusar a chupeta, por se sentirem saciadas na necessidade de sucção. Então, é algo que varia conforme o bebê.

 

– Como compensar ou diminuir a necessidade de sucção das crianças?

 

As crianças possuem desde pequenas a necessidade de sucção. Isso ajuda a compensar uma demanda de fome e também é uma forma para se acalmar em uma situação de estresse. No entanto, o seio materno não é a única alternativa para compensar os pequenos.

Como o hábito de chupar chupeta ou dedo é muito relacionado com conforto emocional, outras estratégias podem compensar a necessidade de sucção, como atenção, um carinho, colo, uma soneca aconchegante, entre outras formas que envolvem contato físico e vínculo afetivo.

Sendo assim, uma dica é tentar retirar a chupeta da boca da criança quando ela estiver brincando, engatinhando ou interagindo. Assim, o uso do acessório vai ficando mais limitado à hora de dormir.

Você pode ainda mudar o objeto relacionado ao aconchego, por exemplo, com uma naninha. O olfato é muito desenvolvido nos pequenos e o objeto de transição pode ser um suporte emocional importante.

Bebê brincando com chupeta

– Quais os prós e contras da chupeta?

 

A chupeta age como um calmante imediato para o choro e a insatisfação do bebê. Alguns estudos também evidenciam uma redução da incidência da Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL).

Para prevenir a morte súbita em bebês, a Academia Americana de Pediatria orienta o uso da chupeta nas sonecas ou no período de sono após as 3 ou 4 semanas de vida, quando a amamentação já está estabelecida.

A chupeta representa também outras duas vantagens. Com ela, a sucção não depende do seio da mãe e então outras pessoas podem acalmar o bebê mesmo sem a presença ou disponibilidade materna. Também nota-se que a chupeta, por ser um objeto, é mais fácil de ser eliminada do que o seio ou o dedo da própria criança.

Por outro lado, a lista de contras em relação ao uso da chupeta:

  • Pode prejudicar a amamentação, ponto que vamos detalhar a seguir.
  • O uso da chupeta tem efeitos prejudiciais em relação à oclusão dentária, resultando em deformação na arcada dentária, problemas de mastigação, atrasos na linguagem oral e problemas de fala.
  • A chupeta pode levar ao hábito de manter os lábios e a língua em posição incorreta. Isso favorece o desequilíbrio do desenvolvimento da musculatura facial, tendo como consequência a respiração pela boca. A respiração oral reduz a função de filtro de impurezas do nariz, levando a quadros de infecções respiratórias.
  • São também consequências da respiração oral as infecções de ouvido, rinites e amigdalites.
  • À noite a chupeta tem tendência a cair no berço, obrigando o bebê a chamar você para ajudar a achá-la! Isso faz de você um procurador noturno de chupeta!

 Bebê dormindo com chupeta

– E quais os prós e contras de chupar o dedo?

 

Assim como a chupeta, o hábito de chupar o dedo tem um efeito calmante na criança. O bebê também fica menos dependente dos pais, pois tem uma alternativa para se acalmar sozinho em um momento de estresse. À noite, o bebê não perde o dedo, como ocorre com a chupeta. Então, isso favorece para que ele adormeça sozinho entre os ciclos de sono.

Outro ponto favorável ao dedo é que ele interfere menos nas relações sociais, porque a criança precisa das mãos para brincar, comer, etc. Então, ela se distrai com mais facilidade, tirando o dedo da boca. Já a chupeta precisa ser tirada pelos pais em algumas situações específicas, o que pode gerar choro e resistência.

Contudo, a prática também tem malefícios, como:

  • Pode gerar alterações da arcada dentária, como mordida aberta, cruzada ou profunda. Isso depende da posição que a criança leva o dedo à boca e da força da sucção.
  • Também pode favorecer a respiração oral, como no caso da chupeta.
  • A longo prazo pode se tornar um problema emocional e relacionado com a ansiedade, podendo inclusive prejudicar a convivência social.
  • Ao contrário da chupeta, é mais difícil restringir o hábito e fazer a criança parar de chupar o dedo.

bebê chupando dedo

– Qual é a relação entre a chupeta e o aleitamento materno?

 

A chupeta pode prejudicar a amamentação do bebê, resultando em um desmame precoce. O Ministério da Saúde desaconselha o uso e enfatiza a recomendação da amamentação exclusiva até os 6 meses de vida.

Um dos problemas da chupeta quando o assunto é o aleitamento materno é a confusão de bicos. Isso acontece porque a musculatura é trabalhada de forma diferente durante a sucção do peito e da chupeta. Assim, o bico artificial leva à perda da tonicidade e alteração da postura muscular, especialmente dos lábios e da língua. Isso interfere na pega correta, fundamental para que o bebê consiga mamar de maneira satisfatória e sem machucar o seio da mãe.

O uso da chupeta também pode ter como consequência uma diminuição da produção de leite, uma vez que o leite materno é produzido conforme demanda e a partir do estímulo da sucção.

Por isso, se você quiser usar a chupeta com o seu bebê a melhor opção é esperar pelo menos o primeiro mês de vida, quando a mãe e a criança ainda estão se ajustando com a amamentação.

 

– Qual a importância da higiene adequada da chupeta?

 

Além dos pontos contrários ao uso da chupeta, a limpeza é um fator importante para evitar outros problemas. Um deles é maior chance de candidíase oral (sapinho) e verminoses.

Confira algumas dicas para uma limpeza adequada:

  • Nunca limpe a chupeta com a sua saliva. O ato expõe o bebê à doenças, como coqueluche, gripe e herpes. Também pode resultar na transmissão de bactérias (inclusive as responsáveis pelas cáries!).
  • Para esterilizar a chupeta ferva os bicos diariamente por 5 – 10 minutos, cobrindo-os totalmente com água. O procedimento tem como objetivo remover germes e bactérias.
  • Uma limpeza mais rápida pode ser feita com sabão neutro e água corrente, para remoção de resíduos.
  • Troque as chupetas em média a cada dois meses.

 

– Quando é a hora de largar o hábito de chupar a chupeta ou dedo?

 

Em decorrência dos malefícios do hábito de chupar a chupeta ou dedo, o ideal é que a criança não prolongue o costume. Normalmente os pequenos deixam naturalmente de chupar o dedo conforme crescem, antes mesmo do primeiro ano de vida. Os que não conseguem podem exigir uma atenção extra por parte dos pais.

Já a chupeta deve ser abandonada até os 3 anos, principalmente pelos problemas relacionados à estrutura bucal.

 

– E como ajudar as crianças a parar de chupar a chupeta ou dedo?

 

É importante que o processo ocorra em um momento de estabilidade emocional para a criança. Evite fases conturbadas, como desfralde, adaptação na escola, mudança de casa, entre outras experiências que podem mexer com o seu filho. A criança precisa se sentir segura e tranquila, tendo suporte por parte dos pais.

Bebê com mordedor

Não é aconselhado colocar algo ruim ou com gosto forte na chupeta ou dedo, como algum molho ou tempero, com o objetivo de causar aversão. A melhor estratégia é o diálogo e ir conduzindo o processo gradualmente, primeiro limitando a sucção da chupeta ou dedo para determinados momentos, como a hora de dormir.

Elogie seu filho, sem a necessidade de presentes ou recompensas. Reforce a evolução, ao invés de apontar as dificuldades. Assim, aos poucos ele vai ter a segurança emocional que precisa para deixar a chupeta ou o dedo de lado.

 

E como foi para você a relação do seu bebê com a sucção? Ele usa a chupeta ou o dedo? Como foi o processo para parar? Compartilhe conosco a sua experiência!

 

Site administrado no Brasil por pequenaweb.com

logo