As famosas “listas indispensáveis” são armadilhas quando o assunto é o enxoval do bebê. Menos pode ser mais, inclusive pensando em segurança! Confira nossas dicas para economizar nos preparativos para a hora de dormir dos pequenos.

 

Há tantos produtos disponíveis no mercado infantil que a cabeça de muitas mães (não só as de primeira viagem!) pode simplesmente dar um nó. O que realmente é necessário e o que é apenas modismo ou apelo de mercado? Como pensar em um enxoval consciente?

Tudo depende do seu estilo de vida e de onde você quer investir sua energia e seu dinheiro.

Numa sociedade de consumidores, tornar-se uma mercadoria desejável e desejada é a matéria de que são feitos os sonhos e os contos de fadas”, disse o grande sociólogo polonês Zigmunt Bauman, no livro Vida para Consumo: a transformação das Pessoas em Mercadorias.

Durante a gravidez ou quando temos filhos pequenos, ansiedade e sonhos não nos faltam. Assim como apelos comerciais. A cadeira “x” ideal para a amamentação. A banheira “y” para um super banho acolhedor. Almofadas, travesseiros, cueiros, mantas, lencinhos e por aí vai. A lista é grande e vai no sentido contrário de um enxoval consciente e mais prático!

Bauman fala em seu livro que já houve uma época da sociedade na qual os produtos eram feitos visando essencialmente segurança, durabilidade e um ambiente confiável. É nisso que acredito para um consumo consciente. E é pensando assim que produzo os sacos de dormir da Joli Môme, como uma peça “coringa” que simplifica a visão atual do cantinho de dormir dos bebês, sem perder beleza e utilidade necessárias.

 

Enxoval consciente no cantinho de dormir

 

Um dos pontos mais importantes ao planejar o quarto do bebê é pensar na qualidade do berço e do colchão. Eles vão acompanhar o seu filho por um bom tempo e são determinantes para garantir um sono seguro e confortável.

Segundo o Inmetro, grades e vãos não adequados são perigosos, pois facilitam quedas e enforcamento. Um colchão macio demais, por exemplo, sem as dimensões (altura, largura e espessura) corretas também pode apresentar riscos, pois pode permitir que o bebê afunde e suas vias respiratórias sejam cobertas.

Atenção ainda aos berços de viagem, que devem ser usados de maneira esporádica e não permanente! Vale a pena visitar o site do Inmetro para conferir todas as orientações disponíveis.

 

Kits de berço são dispensáveis

 

Os bebês são seres curiosos e prontos para descobrir o mundo por meio dos seus movimentos. Rolar no berço é um exercício desafiador, mas a criança pode parar debaixo de um protetor acolchoado e não conseguir se desvencilhar dele.

Cobertores e mantas também podem interromper os movimentos e asfixiar, em situações extremas.

Mesmo almofadas e travesseiros merecem uma atenção especial. Os itens até deixam o quarto mais bonito, mas na hora de dormir devem ser removidos.

O mesmo vale para os brinquedos, que são essenciais para o desenvolvimento infantil, mas não no lugar de dormir. Bebês precisam brincar, contudo, fora do espaço do sono, que deve ser projetado para a criança se acalmar. Assim, bichinhos de pelúcia no berço podem se transformar em vilões (eles acumulam poeiras e favorecem as alergias!). Já os móbiles pendurados acima do berço representam risco de traumas, em caso de queda (Além de atrapalhar o sono!).

A Sociedade Brasileira de Pediatria faz importantes alertas quanto a utilidade dos produtos relacionados com o sono dos pequenos. Lindos nas revistas de decoração, alguns itens podem levar ao sufocamento, asfixia, alergia, além de se tornarem trampolins para as primeiras aventuras (nada seguras!) da infância.

 

Enxoval de berço

O enxoval de berço pode ser lindo, mas ele é perigoso, alergênico e caro! Dispensa!

 

A ONG Criança Segura  também tem uma lista de cuidados para prevenir acidentes. Essa lista sim é indispensável e pode ser implementada com o objetivo de um enxoval consciente! Então, esqueça o protetor de berço e qualquer item que fique solto dentro da caminha, representando um perigo para o sono do seu filho.

 

Cueiros, cuidado!

 

Os antigos cueiros, são bons sim… para a higiene corporal, mas devem ser usados com cautela para fazer o charutinho, acalmar choro e aconchegar. O assunto é tão sério que já me dediquei ao tema no blog antes e vale a indicação de leitura. Dificuldade respiratória, atraso nos movimentos e até displasia de quadril são alguns dos problemas relatados por muitos especialistas. (https://www.jolimome.com.br/charutinho-o-perigo-de-enrolar-o-bebe-para-dormir/).

 

Sacos de dormir e rotina saudável

 

Dificilmente você vai encontrar os sacos de dormir nas listas de enxoval brasileiras. Sabe por quê? Primeiro porque não fazem parte da cultura brasileira, é uma tradição da Europa. Desde 1993, eles são recomendado pelo ministério da saúde da França, como uma solução segura para cobrir os bebês os dias mais frio. Segundo porque o saco de dormir não surgiu a partir de um apelo da indústria, e seu preço mais em conta que um conjunto completo de berço (com protetor, cobertas e almofadas combinando), evita o consumo desnecessário.

Invisto nessas peças porque segurança é a primeira palavra ligada a eles. Eles são pensados para evitar que o bebê se enrosque e se embole como em mantas, edredons, cobertores e etc. Confortáveis, são feitos com tecidos e malhas 100% algodão e com modelagem pensada para ser prático. Sem se descobrir, os bebês têm liberdade, conforto e aquecimento na medida certa.

Outro ponto importante é que os sacos de dormir ajudam a estabelecer uma rotina, práticas imprescindíveis nos cuidados infantis. Ao ser colocada numa “turbulette”, como são chamados na França, a criança associa e compreende que saco de dormir significa hora do soninho.

O enxoval reduzido ao seu essencial : Um colchão com lençol de elástico, um saco de dormir e só! 🙂 Suficiente e seguro para seu bebê

Para a psicóloga Cisele Ortiz, coautora do livro “Ser professor de bebês: cuidar, educar e brincar uma única ação”, rotina dá segurança porque os bebês passam a reconhecer seus objetos, espaços, tempos e vivências do dia a dia. Sacos de dormir podem significar convívio, cuidado, vínculo amoroso, sono bom!

De mãe para mãe, o que vale a pena mesmo nesta fase linda de nossas vidas é ter clareza e serenidade para fazermos nossas escolhas, sem nos deixar ir a reboque num mundo de consumo.

Um abraço,

Pauline