O papel de uma doula…

O significado da palavra Doula vem do grego, mulher que serve. A Doula é uma profissional que oferece apoio emocional e prático a uma mulher durante a gravidez, parto e pós-parto. Não necessariamente ela precisa ser da área da saúde, mas precisará fazer um curso e sempre estar atualizada sobre novas evidências científicas e protocolos da Organização Mundial da Saúde (OMS). Vamos descobrir juntos porque pode ser tão importante você procurar uma para seu parto!

 

1- Uma doula para quê?

Ela prepara o casal para o nascimento e para os processos que envolvem esse período.

Ainda na gestação ela oferece informações sobre o que é o trabalho de parto, como a mulher pode se preparar para a dor das contrações, apresenta os métodos de preparo mental, técnicas de GentleBirth e Hipnobirthing, envolve a hipnose de parto, parto positivo, mentalizações guiadas, frases afirmativas além das técnicas não farmacológicas de alívio da dor como massagens relaxantes, pontos para acupressão, óleos essenciais (aromoterapia), benefícios das cores (cromoterapia), entre outros.

O parto acontece entre as orelhas” como já disse Ricardo Jones (médico obstetra), ou seja, o preparo mental é fundamental e uma mulher que bem preparada emocionalmente conseguirá passar por esse processo de forma mais consciente e positiva.

A presença de uma Doula durante o parto pode aumentar as chances de ter um parto normal, mas é importante lembrar que cada mulher e cada parto é único. Portanto, não é possível prever com certeza as chances de ter um parto normal apenas com base na presença de uma Doula. No entanto, vários estudos têm mostrado que ter uma Doula pode levar a uma diminuição da necessidade de medicação para alívio da dor, intervenções médicas desnecessárias e até a cesarianas. Isso pode levar a um parto mais natural e menos traumático para a mãe e o bebê.

Não podemos esquecer que a fisiologia do parto acontece por meio de hormônios importantes e que a Doula ajuda a reduzir o estresse e a ansiedade da gestante. Isso, por sua vez, pode aumentar a produção de ocitocina, um hormônio que ajuda a regular as contrações para promover o parto normal e estimula a saída do leite no pós-parto.

A doula ficará com a gestante do início ao fim, o médico chega quando a mulher já tem uma evolução favorável, além disso, a Doula pode ajudar a gestante a entender suas opções, tomar decisões informadas sobre o parto além de se sentir mais apoiada e menos sozinha durante esse momento importante.

 

 

2 – E depois do parto?

No puerpério a doula faz-se muito necessária, principalmente quando a mesma tem experiência com a amamentação. Ela pode ajudar a mulher nas posições para amamentar, pega correta, ordenha manual e ainda observar a sucção e deglutição do bebê. Quando observa alguma dificuldade a mesma poderá encaminhar para Osteopata, pediatra e até fonoaudióloga, contribuindo assim para um preparo em equipe.

Ela também pode auxiliar a nova mãe nessa nova rotina dando conselhos e apoios. Por exemplo informando sobre o berço seguro e a importância de um saco de dormir ou ainda sobre rotina, os ciclos circadianos, etc… Por isso muitas vezes as doulas são cercadas de profissionais especializados para acompanhar a mãe!

 

 

3 – A profissão é regulada?

Hoje existem doulas que atuam voluntariamente em maternidades públicas, doulas que trabalham exclusivamente no acompanhamento de parto e ainda aquelas que tem seu emprego fixo e acompanha de vez enquanto partos.

Dia 16 de março de 2022, o Senado Federal brasileiro aprovou o Projeto de Lei 3.946/2021 que regulamenta a profissão de Doula. O reconhecimento profissional da categoria representa um avanço importantíssimo para aquelas que exercem a profissão. No Brasil, as doulas estiveram numa situação de relativa informalidade até a recente aprovação do projeto pelo Senado. Até então, as Doulas estavam inseridas no Catálogo Brasileiro de Ocupações desde 2013, mas como uma ocupação, não uma profissão.

Agora as doulas precisam ser portadores de diplomas de ensino médio e de curso de qualificação profissional específica em doulagem com carga horária mínima de 120 (cento e vinte) horas.

Segundo o Art. 4o São atribuições dos profissionais de que trata esta Lei:

I – incentivar e facilitar à pessoa no seu ciclo gravídico-puerperal a busca de informações sobre gestação, parto e pós-parto baseadas em evidências científicas atualizadas;
II – incentivar a pessoa grávida a buscar uma unidade de saúde para realizar o acompanhamento pré-natal;
III – orientar e apoiar a pessoa grávida durante todo o trabalho de parto, inclusive em relação às escolhas das posições mais confortáveis a serem adotadas durante o processo;
IV – informar a pessoa grávida sobre os métodos não farmacológicos para alívio da dor;
V – colaborar para a manutenção de um ambiente tranquilo, acolhedor e com privacidade para a pessoa grávida durante o trabalho de parto;
VI – auxiliar a pessoa grávida a utilizar técnicas de respiração e vocalização para obter maior tranquilidade;
VII – utilizar recursos não farmacológicos para conforto e alívio da dor da parturiente, como massagens, banhos mornos e compressas mornas;
VIII – estimular a presença e participação de acompanhante da escolha da pessoa grávida em todo o processo do parto e no pós-parto;
IX – orientar e prestar apoio aos cuidados com o recém-nascido e ao processo de amamentação.

 

Já entendemos a importância dessa profissional, agora é buscar na sua cidade uma doula e entrar nessa aventura linda que é o gestar e parir com uma doula pra chamar de sua!!

Obrigada para a Doula Mônica Borges que nós ajudou a escrever esse artigo (doula em Bauru) aconselhamos também a Erika De Paula para quem mora em Brasília!

Um abraço,

0 Comentários

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *